Você já comeu chuleta?

Em casa houve um princípio de discussão quando um dos meus filhos usou uma gíria com a qual outro filho sentiu-se ofendido. Explicações dadas, ânimos esfriados, restou a amarga sensação do desentendimento.

Muitas vezes, usamos expressões ou gírias que foram criadas por determinados grupos de pessoas, ou tribos, geralmente sob influência de astros da TV ou esportes. Dentro do contexto, elas têm significado, pois representam algum momento vivenciado por aquelas pessoas. “Chuleta” é a denominação dada, em algumas regiões do Rio Grande do Sul, a um corte de carne de gado. Em outros locais, esse corte de carne é chamado de “bisteca”, ou “bisteca de gado”, ou “filé sete”, ou “T Bone” (americanizado) ou ainda “filé com osso”.

Gírias no ambiente profissional

Usar gírias ou expressões em ambiente de trabalho pode mexer negativamente com as emoções das pessoas, especialmente se potencializado com o uso de palavrões.

A gíria é usada, normalmente, banalizando a expressão, a frase, e ainda de forma pejorativa. Caso essa gíria tenha alguma relação com a vida de outras pessoas por fazer alusão a nomes (“Mauricinho”, “Patricinha”), ou local de nascimento, como estado de nascença ou raça, estas pessoas criarão um sentimento negativo em relação a você. O uso da gíria tem o enorme poder de aflorar emoções negativas. Imagine se for no ambiente de trabalho, com seu chefe. Adeus possibilidade de promoção ou aumento.

A língua portuguesa, no Brasil, é muito rica em palavras que permitem maravilhosas combinações para expressar sentimentos, nem sempre possíveis em outros idiomas. É importante preservar essa forma de linguagem mais formal, especialmente em seu trabalho ou em apresentações e palestras. Mostra que você tem maior capacidade, que conhece mais e merece mais respeito por isso. Se você usualmente utiliza muita gíria, mostra-se pobre em comunicação, perdendo pontos em avaliações efetuadas pelas pessoas com as quais convive, especialmente aquelas de quem depende seu salário e suas promoções.

Enriqueça seu vocabulário
Procure usar menos gírias. Esforce-se para utilizar expressões bem comuns, ou, se for muito necessário usar gíria, procure fazê-lo apenas para realçar sua ideia, com todo cuidado de forma a evitar mal entendidos. Leia mais e enriqueça seu vocabulário, assim você evoluirá e será reconhecidamente um exímio vendedor das suas ideias.

Sucesso!

Edson Fujita é coach no Vale do Paraíba

– Gíria: Um dos 7 pecados nas entrevistas de emprego

– Mais novidades no Facebook de Edson Fujita – Coaching e Consultoria

No Comments Yet.

Leave a comment